terça-feira, 29 de maio de 2012

1 litro de lágrimas (j-drama)


Uma comovente história baseada em fatos reais...
 Aya Ikeuchi é interpretada pela atriz Erika Sawajiri.


Título: 1 litro de lágrimas
Gênero: Escolar, Romance, Drama
País de origem: Japão
Principais do elenco:
Sawajiri Erika como Ikeuchi Aya 
Yakushimaru Hiroko como Ikeuchi Shioka 
Nishikido Ryo como Asou Haruto 
Jinnai Takanori como Ikeuchi Mizuo 
Narumi Riko como Ikeuchi Ako 
Fujiki Naohito como Mizuno Hiroshi 
Koide Saori como Sugiura Mari 
Sanada Yuma como Ikeuchi Hiroki 
Miyoshi Ani como Ikeuchi Rika 
Matsuyama Kenichi como Kawamoto Yuji
N° de episódios: 11
Período de emissão: 11 de Outubro de 2005 até 20 de Dezembro de 2005 (ás terças-feiras)
Emissora de TV: Fuji TV


1 litro de lágrimas conta a história de uma garota que aos 15 anos descobre que tem uma doença incurável chamada degeneração espinocerebelar. Essa terrível e cruel doença afeta o cerebelo, que aos poucos, faz o portador perder os movimentos do corpo. Coisas simples como andar, comer, escrever e falar vão se tornando difíceis até que chega um momento em que já não são possíveis de se fazer. Vale lembrar que apesar disso, a memória não é afetada, muito menos a capacidade de aprendizado ou a compreensão do que acontece ao seu redor.

O dorama é baseado num diário escrito por uma garota japonesa que passou dez anos lutando contra essa doença, mas infelizmente veio a falecer aos 25 anos de idade.
Foto da verdadeira Aya.

Aya é uma garota alegre e cheia de vida, mora com seus pais e seus três irmãos mais novos.

A história começa mostrando o dia a dia da família. Aya e os irmãos vão para a escola, o pai de Aya é dono de uma loja de tofu e a mãe de Aya trabalha como higienista.

Da esquerda para direita: Hiroki (irmão de Aya), Mizuo (pai de Aya), Ako (irmã de Aya), Aya, Shioka (mãe de Aya) e Rika (irmã mais nova de Aya).

Aya é esforçada e estudiosa, porém um pouco mais desastrada que as outras garotas de sua idade. Sua mãe , Shioka, percebe que a garota sofre quedas mais que o normal. Preocupada que esses pequenos acidentes de sua filha se tornem algo mais grave, ela leva a menina ao médico e acaba descobrindo que sua filha é portadora de uma doença sem cura.

Aya sempre de bem com a vida.

É muito doloroso ver o sofrimento da família, os pais de Aya, apesar de ficarem desesperados com essa situação, acabam suportando toda a dor para manterem sua filha livre de preocupações.
Aya é uma garota esperta e logo percebe que há algo de errado no comportamento dos pais. Depois de investigar e pedir explicações, Aya acaba se deparando com a dolorosa verdade: Sua vida está prestes a mudar drasticamente, e não será para melhor.

A mãe de Aya sempre ao seu lado consolando-a.
Durante seus anos escolares, Aya tenta aproveitar o máximo possível. Uma pessoa muito especial aparece em sua vida, Asou Haruto, um rapaz meio antipático e que não tem uma boa relação com seus pais desde a morte de seu irmão, porém aos poucos ele vai se mostrando uma pessoa cheia de compaixão, e ajuda Aya de todas as formas possíveis.

Asou Haruto, uma pessoa especial no coração de Aya.

À medida que o tempo vai passando, Aya vai perdendo a agilidade e passa a andar de forma estranha e lenta, sofre discriminação por parte de alguns e compaixão por parte de outros. 
Sua capacidade de movimento está limitada e ela se torna dependente de outras pessoas. A turma do colégio já não a aceita como um deles, pois suas “debilidades” acabam afetando o desempenho dos outros alunos.

Uma bela e lutadora família.

Depois de uma reunião, os pais dos outros alunos juntamente com os professores decidem que Aya deve ir para um lugar em que ela possa estar “mais confortável”, ou seja, um lugar com pessoas iguais a ela.
Aya não aceita essa decisão. Ela não quer ficar longe dos amigos, porém ela acaba percebendo que as coisas acabariam piorando se ela insistisse em ficar.
A condição de Aya só piora com o tempo, aos poucos, sua fala é afetada e ela também já não consegue mais andar, tendo de se locomover em uma cadeira de rodas. 
Asou permanece ao lado de Aya, assim como sua família. Sua mãe, sempre atenciosa, seu pai, sempre preocupado e seus irmãos, sempre defensores.

Asou permanece ao lado de Aya até o fim.

O penúltimo episódio, chamado “Carta de amor”, é um dos mais emocionantes. Aya escreve uma carta para Asou, na carta, ela fala sobre o futuro, um futuro que ela nunca poderá desfrutar. Enquanto todos fazem planos, até juras de amor e casamento, Aya nunca poderá se casar, nunca poderá ter filhos, nunca poderá ter uma profissão. Aya sabe que sua condição só piorará, ela sabe que em pouco tempo, já não poderá falar, nem comer, e nem mesmo se levantar da cama.
As lágrimas de dor por não ter um futuro acometem a jovem garota e também o jovem rapaz. Os dois poderiam viver um romance, mas isso não é possível.

O médico de Aya faz de tudo para ajudá-la, porém no fim, já não há esperanças de vida.

Aya morre aos 25 anos. A história não tem um final feliz, porém, Asou resolve estudar para ser médico, os irmãos de Aya continuam com suas vidas, inclusive sua irmã Ako, que resolve ser enfermeira. Todos sempre se lembrando de sua corajosa irmã, que lutou até o final.

O dorama possui onze episódios e um especial com mais de duas horas de duração. Destaque para a trilha sonora, as músicas Konayuki e Only human.

Logo abaixo postei alguns vídeos relacionados à série:


Konayuki é a música tema de Aya e Asou.

créditos do video: SusanaNovaes



Only Human é a música de encerramento de cada episódio, uma música muito triste e bonita.




O diário de Aya também foi adaptado para uma versão em mangá, vejam a capa abaixo:



Alguns trechos do diário de Aya:


"Porque essa doença me escolheu?
Destino é algo que não se pode colocar em palavras."

"Quero construir uma máquina do tempo e voltar ao passado.
Se não fosse por essa doença, eu conseguiria me apaixonar e não depender de ninguém para viver."
"Com tanta raiva, com tanta vergonha, sem poder fazer nada...
Eu choro. Que fraca, não?"

"Não tem como, estou triste.
Estou só! Estou só!
Tempo! Pare!"

"No céu azul, eu vi as nuvens brancas flutuarem de um modo lindo."
"Eu não direi mais que quero voltar àquele dia.
Vou viver aceitando o eu de agora."
"Ontem eu disse 'adeus' à você.
Você também disse 'adeus'.
Quaisquer palavras que falássemos,
Fiquei feliz em poder conversar com você."

"Aceite a realidade."

"Apesar de ter me machucado com esses olhares sem coração,
Eu percebi que havia também olhares de gentileza.
Por isso eu não vou fugir.
Assim eu farei, com certeza, sempre."

"Não posso fugir das pessoas, isso seria fugir de mim mesma."

"A alegria vem depois da tristeza."

"Não posso amolecer.
Serei rigorosa comigo mesma.
É meu próprio corpo, por isso, não posso desistir."

"Eu sinto que sou amada. Dentro do calor da minha família."

"Eu agradeço por ser vista igualmente pelos meus amigos
'Eu passei a gostar de ler graças à você',
Foi o que me disseram.
'Ah, que bom.'
Eu não causei apenas incômodo a elas.
Pensando assim, não me importei muito."

"Faltam quatro dias até o fim das aulas.
Parece que por minha causa,
todos estão segurando mil garças de papéis.
A imagem deles segurando-os com tanto esforço,
Guardarei no fundo dos meus olhos,
Para que eu nunca esqueça, mesmo estando separados.
Mas...
Eu queria que dissessem:
'Aya-chan, não vá'."

"O fato de eu estar viva é uma coisa tão encantadora e maravilhosa que me faz querer viver mais e mais".


créditos das citações: http://doramaichirittoru.blogspot.com.br/


Espero que tenham gostado, até a próxima pessoal!


4 comentários:

  1. maravilhosa historia,preparem os lenços!!!

    ResponderExcluir
  2. Realmente é uma história maravilhosa, mas triste e cruel...chorei realmente litros com essa drama. Foi o primeiro drama que assisti, para mim ele é uma lição de vida, a gente pensa que tem muitos problemas mas sempre tem gente a nossa volta numa situação pior.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu tô chorando aqui... Eu realmente fiquei triste por que a Aya e o Haruto não puderam se casar e etc... eu amei a estória, mesmo sendo triste, ela mostra que a vida é feita de superações...

    ResponderExcluir